segunda-feira, 27 de agosto de 2012

Casa sem prego e sem concreto


Esse modelo residencial foi desenvolvido com a finalidade de reduzir o uso exagerado de energia e os resíduos de obra tão prejudiciais ao meio ambiente.

Aparentemente, a casa segue o desenho e os padrões convencionais de edificações. Cada projeto é único e desenvolvido especialmente para o cliente baseado na ideia de criar um espaço no qual a pessoa vai se sentir bem em morar. A diferença está no processo de construção deste modelo britânico batizado de FACIT-HOMES que desafia arquitetos e engenheiros por não necessitar de pregos e muito menos de concreto.

Um projeto de dois quartos com 116 metros quadrados, por exemplo pode ser construído em apenas seis semanas sem a utilização de pregos e muito menos de concreto.

O projeto é todo modelado em 3D com auxilio de computador. Desta forma todas as peças são desenvolvidas e cortadas no computador o que permite que cada uma se encaixem perfeitamente como peças de um jogo de Lego. Nesse processo, de acordo com o fabricante, elimina-se as incertezas. Tudo é executado conforme o projeto. O material para a construção é entregue em um kit e inclui um guia de instruções, com dicas de manutenção dos materiais e da moradia. Os materiais são leves e fáceis de serem encaixados.

Fonte: O Globo, FACIT-HOMES



Clique no vídeo abaixo e veja o processo de desenvolvimento do modelo:

terça-feira, 21 de agosto de 2012

Reabilitação da sede da Secretaria de Habitação do Distrito Federal


Como parte do programa "Brasília: Território e Paisagem", o IAB-DF Instituto de Arquitetos do Brasil no Distrito Federal divulgou o resultado do concurso para reforma e reabilitação do edifício da Secretaria de Habitação, Regularização e Desenvolvimento Urbano do Distrito Federal (SedHab).

O concurso buscava o melhor projeto de reabilitação do edifício, adequando-o aos princípios de segurança e conforto. Espero que estejamos deslumbrando novos tempos, tempos de renovação, de preocupação com a sustentabilidade do desenvolvimento da nossa capital, onde a técnica e a perícia superam os interesses políticos.

A equipe vencedora de arquitetos é de Goiânia, Goiás, composta por Erico Naves Rosa, Braulio Romeiro e Pablo de Caldas Paulse, com a colaboração de Pedro Gil Carto, Isabella Brito, Huber Costa e Tiago Silva.

O projeto propõe, entre outras alterações, que a área de jardim fosse ampliada, com a instalação de bancos no passeio público.

Para diminuir a intensidade de calor nas fachadas, mas também permitir a maior incidência de luz natural, o grupo sugeriu a instalação de uma pele de vidro composta de montantes metálicos de alumínio e vidros com alto índice de reflexão. O projeto ainda prevê a reutilização de água das chuvas e a instalação de placas fotovoltaicas na cobertura.

Fonte: Piniweb





2leep.com