quinta-feira, 26 de abril de 2012

Elevador dentro de Aquário

A imaginação humana realmente não tem limites.

Imagine entrar num elevador que fica dentro de um aquário. Deve ser realmente um belo e atrativo passeio.

Os hóspedes do hotel Radissom Blu, em Berlim, na Alemanha, têm a oportunidade de entrar em um gigante aquário quando entram no elevador panorâmico que fica no interior de uma estrutura com 1 milhão de litros de água marinha.

Com 25 metros de altura, o Aquadom, maior tanque cilíndrico do mundo, reúne 1,5 mil peixes tropicais de 56 espécies distintas, e está localizado no centro do átrio do hotel. O aquário recebe manutenção do edifício vizinho, o Sea Life da cidade. Mergulhadores são vistos com frequência dentro do tanque limpando e alimentando os animais, proporcionando uma paisagem exuberante para quem olha das janelas dos quartos.

Fonte: Hotel Radissonblu, Lugar Certo









segunda-feira, 23 de abril de 2012

Economia Verde

“Economia verde” tem sido assunto centro de debates nos últimos tempos.

O conceito de economia verde tem se ampliado porque dá uma resposta às múltiplas crises que o mundo vem encarando nos últimos anos – o clima, alimentação e crises econômicas. A proposta precisa levar em conta a erradicação da pobreza, os limites do planeta, o risco e a vulnerabilidade de um crescimento populacional que deve atingir 9 bilhões de habitantes até 2050.

Parece um pouco com o velho conceito de desenvolvimento sustentável que conhecemos, mas no caso da economia se difere porque envolve muito mais riscos e desafios. É uma mudança de paradigma dos atuais padrões de produção e consumo.

A construção civil é um dos caminhos com papel preponderante nesse processo. Precisamos ter um projeto de desenvolvimento de economia sustentável para a construção civil. Economia Verde na construção é eficiência no uso de recursos.

De acordo com um estudo da Global Industry Analysts, Inc sobre o consumo de materiais de construção sustentáveis, em 2015 o mercado de materiais para construção verde deve movimentar US$ 406 bilhões.

As práticas verdes estão crescendo, bem como a pressão para se minimizar o consumo de energia e conter as emissões de CO2, o que impulsiona o uso de produtos ecologicamente corretos na construção de edifícios comerciais e residenciais.

A economia verde na construção visa gerar menor impacto ambiental priorizando a economia de água e energia, coleta seletiva, acesso para deficientes, o gerenciamento de reuso, reciclagem e contenção da água entre outras.

Mas o foco não está apenas no desenvolvimento e disseminação das tecnologias, mas no edifício como um todo, incluindo seus ocupantes. Tudo começa com a valorização da etapa de projeto dentro da construção civil. Os projetos devem ser mais “inteligentes” e contemplar todos os aspectos do impacto ambiental, como os materiais, o conforto dos usuários e o melhor aproveitamento dos recursos naturais, como luz e ventilação.

Fonte: Brasil Economico

segunda-feira, 16 de abril de 2012

O Futuro pode ser melhor

Aproveitando um tempinho livre entre as muitas viagens a serviço que tenho feito por este nosso grande país, não poderia deixar de compartilhar com vocês o vídeo de uma palestra do arquiteto polonês Daniel Liberkind. Veja aqui selecionando o idioma da legenda se quiser.

As obras desse arquiteto me impressionam muito não só pela ousadia das formas angulosas, mas também pela  maneira como interpõe o antigo e o moderno de maneira harmonica e bela.

Como ele mesmo conta, chegou a Nova York ainda adolescente num navio de imigrantes como muitos outros e a primeira coisa que viu foi a Estatua da Liberdade e o perfil dos edifícios de Manhattan.

Temos falado aqui muito a respeito de inovação. Nessa palestra ele fala a respeito de coragem para inovar, para criar espaços vibrantes e plurais. Coragem para romper com o conservadorismo que está sempre repetindo as mesmas coisas e ir em busca de soluções radicais, que demonstrem emoções, que fascinam. Criar coisas incríveis, um espaço no qual nunca entramos exceto em nossas mentes e espírito.

Aqui ele diz que a arquitetura não é muda. É sim uma estória que não pode ser contada em palavras e sim através da linguagem dos materiais brutos. É uma profissão que tem que acreditar no futuro e que o futuro pode ser melhor.

Reserve uns 20 minutinhos para ver e ouvir o que ele diz a respeito das 17 palavras que sustentam a sua ideia de arquitectura- insubmissa, arriscada, emotiva, radical - e que inspiram quem procura uma criatividade corajosa.

Fonte: Daniel Libeskind, TED







quinta-feira, 5 de abril de 2012

Arquitetura de Bambu

O bambu apesar de não ser um material de construção tradicionalmente reconhecido no Brasil, é uma resposta plenamente viável na busca da habitação de baixo custo.

O material muitas vezes visto com desconfiança, não tem nada de retrógrado ou obsoleto. Segundo estudos já realizados, a sua alta resistência mecânica é comprovada assim como sua durabilidade quando submetido ao tratamento adequado.

Um dos maiores problemas do bambu como elemento estrutural é principalmente entender o desempenho de suas junções e ligações.

Outro ponto a resolver é o aprimoramento da técnica construtiva para produção em série de construções que utilizem o bambu.

Para quem ainda tem dúvidas de como o projeto com utilização do bambu pode ser interessante, deve conhecer o trabalho do arquiteto vietnamita Vo Trong Nghia que leva o material às vias da perfeição criando efeitos mágicos em harmonia com a natureza.

O Dai Lai Restaurant localizado em Vinh Phuc (provincial de Hanoi) tem uma forma de meia lua totalmente rodeada de água.

Para chegar o visitante tem que passar por um caminho de pedras que parecem flutuar sobre a água para aproveitar a refeição desfrutando da paisagem sob uma enorme cobertura.
Fonte: Inhabitat






1 ano de blog


Há um ano resolvi começar este blog na intenção de compartilhar um pouco as coisas que vemos e fazemos no dia a dia da arquitetura.

Neste espaço a ideia era propor um encontro de soluções e opiniões acreditando que a arquitetura tem um papel fundamental para a concretização de critérios que podem tornar nosso desenvolvimento sustentável.

Nesse movimento um tanto quanto ideológico, estaríamos ajudando as pessoas, arquitetos ou não, na direção da mudança desses valores impostos pela economia globalizada que nos cerca buscando a compatibilização com a sustentabilidade.

A ideia permanece, é claro, com alguns desdobramentos porque a fascinação e a busca por inovações acabaram por nos surpreender. Não apenas transmitimos aquilo que conhecemos e vemos, mas o aprendizado diário e os contatos com pessoas de todos os cantos do mundo nos enriquecem muito mais do que poderíamos um dia imaginar que poderia acontecer.

Desta forma quero agradecer a cada uma das 51 pessoas que me seguem nestes mais de 65.000 acessos.

É gratificante saber que as matérias que colocamos aqui tem sido útil de alguma maneira e que o esforço em buscar notícias sempre autênticas não tem sido em vão. Não apenas no que diz respeito ao nosso planeta, mas até mesmo para impulsionar valores pessoais.

Obrigada.
2leep.com