segunda-feira, 26 de março de 2012

Fossa Verde

Repasso uma notícia da Universidade Federal do Ceará (UFC) divulgada também no Jornal Nacional.
No sertão do Ceará, a água do esgoto está sendo tratada e reaproveitada para o cultivo de alimentos sem risco pra saúde das pessoas.

É fruto de uma parceira entre Incra e Universidade Federal do Ceará (UFC) que promete ser um marco nas políticas públicas nos assentamentos da reforma agrária. Está sendo concluída a pesquisa "Fossas Verdes", que reutiliza água de esgoto sem prejudicar a natureza.

Pode ser no meio da aridez do sertão. Se tem água, a terra produz. "Contanto que você zele, cultive, ela vinga bem”, garante um morador.

A água que garante a produção de frutas e legumes em uma comunidade rural do Ceará vem do esgoto. Antes, era despejada a céu aberto ou depositada em fossas comuns, valas que costumam ser abertas no quintal de casa. Elas têm as laterais revestidas com tijolos. No fundo, o esgoto entra em contato direto com a terra e acaba se infiltrando no solo.

No novo sistema, chamado "fossa verde", as valas são de alvenaria e impermeabilizadas. Com isso, impedem o contato dos dejetos com o solo e são cobertas com terra, que absorve os nutrientes da parte líquida do esgoto.

Uma canaleta é instalada ligando o banheiro da casa ao meio externo, onde está localizada a "Fossa Verde", uma caixa impermeável submersa. Lá dentro, os dejetos ficam retidos em uma estrutura piramidal e a água é drenada por tijolos furados, passando por um processo de tratamento, e serve para a reutilização, inclusive para irrigar culturas como banana, mamão e tomate.

"Essa água dos banheiros não vai contaminar o lençol freático. Tem uma repercussão na diminuição de diarreia, de hepatites e doenças que estão ligadas à contaminação pela água", avalia Ana Ecilda Lima, orientadora do Incra.

Além de evitar que o esgoto seja despejado no meio ambiente, a fossa, que recebe água o tempo todo, tem servido como um canteiro de cultivo para as famílias. Elas passaram a ter, no quintal de casa, árvores frutíferas que produzem o ano inteiro.

O custo para instalar uma "Fossa Verde" é, em média, R$ 500,00. O valor garante a operacionalização por famílias geralmente de baixo poder aquisitivo. O baixo custo é mais um item a favor do projeto.

Os produtos que brotam na “fossa verde” foram analisados pela Universidade Federal do Ceará e não apresentaram contaminação pelo esgoto. "É que é uma tecnologia segura do ponto de vista alimentar, de contaminação via alimento", destaca o engenheiro agrícola José Carlos de Araújo.

De acordo com o IBGE, menos de 20% das casas em áreas rurais no Brasil têm saneamento. No sertão do Ceará o índice é ainda menor: 7%. As fossas, desenvolvidas em parceria com as universidades federal e estadual do ceará, custam, no máximo, R$ 450 e já beneficiaram quase 600 famílias. "Você pode plantar bananeira, abacaxi, melão, tomate, pimentão", diz um morador.

A instalação das fossas é financiada pelo CNPQ. Os pesquisadores estimam que, a cada quatro anos, seja necessário remover a terra das fossas verdes para retirar a parte sólida do esgoto que estiver acumulada.

Saiba mais sobre Bacia de Evapotranspiração, conhecida popularmente como “fossa de bananeiras" ou "fossa verde" acessando aqui.

quarta-feira, 21 de março de 2012

Piso autodesinfetante

Hospitais, laboratórios e clínicas são edificações que tem exigências peculiares, onde o tratamento e os procedimentos exigem soluções específicas. Um dos grandes desafios nesse tipo de projeto é a especificação dos materiais e produtos adequados de maneira a prevenir e evitar a infecções.

Para quem trabalha com projetos de saúde em geral, acaba de ser lançado um novo aliado: o piso Unique SK da Revitech com uma superfície autodesinfetante onde as bactérias são eliminadas sem o uso de produtos químicos.

A explicação está no fato de que a superfície do piso é composta por duas linhas de defesa:

1 - a primeira é a NanoSilver, na qual as bactérias podem ser destruídas sem o uso de produtos químicos. O efeito antibacteriano da prata resulta da difusão lenta e contínua de íons de prata. As bactérias não têm chance de sobreviver, pois os íons impedem rapidamente o processo de difusão celular, desestabilizam a membrana, paredes ou plasma celular, e interrompem o transporte de nutrientes pela enzima.

2- já a segunda linha de defesa é o NanoTiO2, que ajuda a decompor os germes, transformando substâncias nocivas em compostos inofensivos por meio do processo de oxidação química. O Dióxido de titânio é um fotocatalisador que ajuda nessa transformação.

Desta forma o piso promete, numa solução de baixa manutenção, a purificação do ar com menor risco de infecção e estadas prolongadas no hospital, com menor custo por paciente resultando em ciclos de limpeza mais espaçados.

Além de ser um piso autolimpante, ele também purifica o ar através de fotocatálise, ou seja, por aceleramento de uma reação com a luz natural ou artificial, eliminando assim os odores desagradáveis, e material poluente do ar como a nicotina.

Como é composto à base de célula de espuma fechada de densidade muito alta, ainda tem propriedades acústicas que reduzem o impacto sonoro equivalente a 17 decibéis.

Fonte: AECWEb, Revitech


Acoustic 7 garante um ambiente acústico





sexta-feira, 16 de março de 2012

Quadros na parede

Quem não gosta de quadros na parede? Uma parede vazia deixa a sensação de que está faltando alguma coisa. Quadros podem modificar completamente a percepção do ambiente.

Mas não vale sair martelando as paredes e pendurando qualquer coisa em qualquer parede de qualquer maneira. Mesmo assim, eu diria que não há regras. Se houvessem, levariam  em conta mais o equilíbrio e a valorização tanto do quadro quanto do ambiente.

Pode ser num local de destaque ou simplesmente para complementar os objetos de decoração mais próximos. Nesse caso não devem estar muito distantes desse objeto de decoração.

De maneira geral, os quadros ficam mais bem visualizados quando colocados da linha dos olhos para baixo. Geralmente centralizados entre a linha do teto e do piso. Se ficar numa parede sobre um móvel de presença, tipo um sofá, um buffet, etc, avalie a área visível de parede e centralize com o móvel. Em paredes livres de móveis dá pra brincar mais, colocando inclusive até mais próximos ao piso.

Um quadro isolado geralmente não cria muita polêmica. Mesmo assim pode ser colocado centrado com um móvel ou não. Nada definitivo. Depende do que você quer destacar.

Quando se trata de conjuntos de quadros, eles não necessariamente precisam ser do mesmo tamanho, ou ter o mesmo tipo de moldura nem mesmo temas similares. Tudo depende da harmonia entre as cores e as formas. Podem ser colocados em linha (como em corredores, por exemplo) ou de maneira aleatória, procurando “encaixar” as formas e os tamanhos, uns nos outros como um grande quebra-cabeça. Nesse caso voce pode alinhar os quadros por baixo ou por cima.

Para não se arrepender por ter furado a parede errado, a dica é planejar e testar. Disponha os vários quadros no chão, em frente à parede que quer utilizar e faça várias alternativas até que o resultado te agrade.

Os maiores cuidados estão na escolha da parede e na forma de furar. Lembre-se que paredes que recebem luz do sol diretamente podem provocar o desbotamento das cores, ou o ressecamento das molduras e da tinta (se for uma pintura).

Para escolher a forma de furar o ideal é saber do que se constitui a parede. Em paredes de tijolo furado ou de bloco de concreto, deve ser utilizada furadeira com fixação de bucha porque se coincidir com o local do furo do tijolo, não se consegue fixar o prego. Paredes de drywall têm buchas especiais para cada tipo de fixação levando em conta o peso. Já paredes de concreto celular são mais fáceis de fixar com um simples prego. Elas são mais densas e não se desfazem facilmente.

Uma dica, porém que serve para qualquer tipo de parede: utilize o bate prego. Conhece? É uma ferramenta simples para colocar o prego na parede sem a necessidade de furadeira e sem destruir a parede. Só precisa de um martelo e até eu consigo colocar um prego na parede sem martelar o dedo, sem fazer sujeira e sem depender da boa vontade de alguém para ajudar. Invensão maravilhosa. Nem precisa de furadeira pra quase nada. Tem pregos de tamanhos diferentes de acordo com a necessidade. A única ressalva é para aqueles quadros ou objetos muito pesados. Em paredes de gesso, utilize o prego menor apenas para objetos leves.

Ai vai alguns exemplos garimpados na internet:







O Bate Prego
Como fazer

Algumas dicas de layout

quinta-feira, 15 de março de 2012

Brasília, patrimônio ameaçado

Ja falamos aqui a respeito da missão da Unesco que viria a Brasilia para avaliar a situação da cidade frente ao tombamento como patrimônio histórico.

Nos últimos anos, líderes comunitários e associações de defesa do tombamento enviaram dossiês e denúncias à entidade e essa documentação serviu como embasamento para a visita à capital. Por conta disso, os consultores da Unesco decidiram valorizar o papel da sociedade na proteção do patrimônio e participaram de uma reunião para escutar as reclamações e dúvidas da comunidade.

A função do tombamento da cidade não é atrapalhar o progresso. É preservar a cultura do povo. A cidade pode continuar progredindo e crescendo com respeito ao patrimônio nacional, às memórias do povo brasileiro. Pode ser que o modelo de cidade tal como foi pensado tenha alguns problemas na prática. Para isso basta um planejamento sustentável que permita a evolução deste modelo de maneira a adequa-lo a atender as novas necessidades e anseios da população. Mas, anseios da população não é sinônimo de especulação imobiliária, ou seja, alguns poucos querendo lucrar com a explosão demográfica da cidade.

O vídeo abaixo foi apresentado esta semana na reunião aos consultores e explica bem a problemática de como Brasília tem caminhado em direção ao desrespeito ao planejamento e às exigências feitas pela UNESCO.


Para complementar gostaria de colocar aqui o link do blog do Helio Doyle (clique aqui) que fez um comentário perfeito a respeito desse assunto onde ele conclui que "o tombamento do plano piloto tem inimigos nos tres poderes e no poder principal: o econômico."

terça-feira, 13 de março de 2012

Porcelanato como Papel de Parede

Depois dos incríveis porcelanatos que imitam madeira a Portinari mostrou na Revestir 2012 o revestimento cerâmico que parece papel de parede – Wallpaper HD

Com uma configuração moderna e diferente dos modelos tradicionais, as peças foram criadas com formas delicadas e tramas suaves, evidenciadas por uma surpreendente percepção tátil. O produto, produzido com o sistema de impressão digital, é um convite ao toque, devido à sensação de maciez transmitida pelas peças.

A Wallpaper HD está dividida em três conjuntos de produtos: Delicate, Crepon e Crepe Seda. Cada um deles é composto por um fundo e três decorados, que destacam a elegância das composições adamascadas, a modernidade das formas geométricas e a versatilidade de estampas consagradas, como o xadrez, o pied poul e as listras.

Indicadas para paredes, as peças foram desenvolvidas em um formato inédito para Portinari, 22,5 X 90 cm. Além disso, a coleção possui dois revestimentos para chão no formato 60x60cm, que combinam com todas as demais. Com essa variedade de modelos, é possível criar projetos únicos, personalizando os ambientes com requinte e originalidade.

Fonte: Cerâmica Portinari







terça-feira, 6 de março de 2012

Novos Arranha-céus

A Revista de arquitetura e design eVolo focada em avanços tecnológicos, sustentabilidade e design inovadores para o século 21 promove anualmente, desde 2006, o concurso “Skyscraper Competition”que tem como objetivo coletar propostas que redefinam o conceito do arranha-ceu através do uso de novas tecnologias, materiais, programas, estética, organização espacial juntamente com estudos sobre a globalização, flexibilidade, adaptação e inovação digital.

"O concurso também representa uma investigação sobre espaços públicos e privados e o papel do individual e do coletivo na criação da comunidade vertical dinâmica e adaptável. O concurso buscou descobrir jovens talentos cujas ideias mudarão o modo com que entendemos arquitetura e a sua relação com o meio ambiente natural e construído", diz a organização.

Os 3 primeiros vencedores de 2012 foram arquitetos chineses com propostas que surpreendem. A imaginação humana realmente não tem limites. Veja os projetos dos vencedores e diga o que voce acha.
Clique no link para ver a reportagem completa na revista.

O 1º Himalaya Water Tower - Zhi Zheng, Hongchuan Zhao e Dongbai Song (China)


A proposta dos arquitetos é composta por torres que seriam construídas no Himalaia, com o objetivo de armazenar a água que derrete das geleiras das montanhas e que compreende grande parte da água potável existente no mundo. A parte inferior da torre seria constituída por hastes, como de uma árvore, responsáveis pela coleta e transporte da água para a parte superior.

Na parte mais alta, cilindros de aço purificariam e congelariam a água coletada, para uso quando fosse necessário. O projeto também é composto por um sistema mecânico para auxiliar no congelamento da água em caso de falta de boas condições climáticas para a atividade. Na base da torre, há um sistema de controle e de transporte da água da torre.

O 2º Mountain Band-Aid - Yiting Shen, Nanjue Wang, Ji Xia e Zihan Wang (China)



O projeto prevê a utilização do edifício como um instrumento auxiliar para o restauro de montanhas do país danificadas seriamente pela atividade de mineração. O objetivo é trazer de volta as pessoas que foram retiradas da região pelo mesmo motivo. O projeto prevê a construção em "duas camadas": a primeira é praticamente uma estrutura que cobre a montanha. Atrás dela, ficam todas as casas e espaços de convivência.

A ideia é que a área interna siga a mesma configuração das vilas onde os habitantes moravam, mas que não haja degradação da montanha, como ocorria antes. O edifício deverá, ainda, auxiliar no processo de restauro da vegetação montanhosa, através do reúso de água da chuva para a irrigação do solo da montanha.

O 3º Vertical Landfill - Lin Yu-Ta (Taiwan)


A ideia do projeto é criar, em diferentes cidades do mundo, uma torre que funcione como um aterro de lixo e que conte com sistemas para a reciclagem desse material. Um aterro sanitário vertical.

O objetivo desse projeto é que o lixo seja utilizado para a geração de energia. Como ficaria localizada no centro das cidades, a transmissão de energia para os usuários seria mais rápida. A torre em si seria construída como uma grande estrutura cilíndrica de concreto.

Fonte: eVolo, Piniweb

segunda-feira, 5 de março de 2012

Móveis de Fibra de Basalto

É impressionante como a cada dia vemos notícias de novas matérias primas. A inovação e a criatividade não tem limite quando se busca melhores soluções.

O designer europeu Raimonds Cirulis criou 17 peças exclusivas e únicas confeccionadas com fibras de basalto.

A fibra de basalto é um produto derivado do processo de fundição do próprio basalto que é uma rocha vulcânica. A fibra de basalto é superior a outras fibras existentes com relação à estabilidade térmica, isolamento do calor e do som, resistência a vibrações, durabilidade e leveza. Podem durar de 20 a 30 anos em locais abertos. No Brasil a cidade de Nova Prata no Rio Grande do Sul é a que mais possui esse tipo de material.

O basalto é um material muito durável, mais forte do que a fibra de vidro. O material tem sido utilizado na Russia para fabricação de submarinos que não são detectáveis, projetos espaciais e de tecnologia.

A empresa do designer “Maffam Freeform” oferece moveis manufaturados para jardins e terraços assim como objetos de design. O designer é o primeiro a trabalhar com esse tipo de material.

Os móveis são leves mas estaveis. Cada um deles é único porque é impossível fazer duas peças iguais. Segundo o designer, como o basalto absorve todo tipo de raio (ultravioleta, eletromagnético, raio X, etc) a pessoa que utiliza o mobiliário fica protegida de alguns efeitos negativos advindos desses raios.
Fonte:  Contemporist, Maffamfree







2leep.com