quinta-feira, 10 de maio de 2012

Ainda sobre planejamento


Quero me deter um pouco mais a respeito desse assunto: o planejamento. Isso porque percebemos que é um ponto nevrálgico que anda rondando as obras principalmente na esfera pública.

A necessidade de cumprir os prazos para fazer editais e licitações muitas vezes deixa prejudicada a parte do planejamento.

O papel do arquiteto que começa no levantamento das necessidades e na definição do programa se torna primordial. Esse levantamento, feito na maioria das vezes através da entrevistas com os usuários,  é que vai embasar todo o projeto. Nessa etapa é preciso detectar corretamente as necessidades e preferências,  definir exatamente a função do edifício, dimensionamentos, quais as atividades que vai abrigar de acordo com as possibilidades do terreno, dos condicionantes ambientais e dos usuários.

Um levantamento mal elaborado com certeza vai levar a modificações do projeto durante a obra e consequentemente, ao aumento de custos.

Como diria Sêneca (o filósofo) “Não há vento favorável para quem não sabe a que porto se dirige”.

Com o levantamento de necessidades bem executado é a hora da definição de um Plano de Projeto para guiar toda a execução e o controle. Em linhas gerais seria: o que vai ser construído, como será feito e para que será utilizado.

Bibliografia a respeito do assunto não falta, além do que, cada equipe trabalha de uma maneira. Mas basicamente,  o Plano de Projeto engloba 3 elementos principais:
-  o Escopo do trabalho (objetivos), 
-  o Plano de Ação (metodologia, atividades, tarefas e recursos a serem utilizados) e por último
-  a Avaliação (acompanhamento e avaliação da execução e dos resultados).

Alguns elementos dessa estrutura podem ter pesos diferentes dependendo do tipo de projeto e das características específicas. Particularidades afora, esta estrutura se aplica a praticamente todo tipo de projeto. Essas 3 partes são imprescindíveis, ou seja, não podem deixar de ser consideradas.

Vejo como o maior objetivo desse processo de planejamento, antecipar as ações de maneira a se alcançar o resultado esperado, atendendo os requisitos de prazo, qualidade e custo. Quanto mais realista e detalhado for o planejamento, menos teremos necessidade de “apagar incêndios” pelo meio do caminho.

Tomando os japoneses como exemplo, o lema é planejar primeiro de forma consistente para depois executar, ou ainda, planejar devagar pra construir mais depressa.

Ilustrações: Milton Kennedy

Um comentário:

  1. Saudações Inone, seu blog é bem bacana e diversificado. Obrigado por citar-me.
    Cordial abraço, saúde e paz.

    ResponderExcluir

Adoraria saber sua opinião a respeito.
Seu comentário será muito apreciado.

2leep.com